Atletas

Daniel Dias disputa o Laureus, o Oscar do esporte, pela sexta vez

Pode-se afirmar, sem medo de errar, que ele é um fenômeno. Os números só confirmam as espetaculares performances de Daniel Dias. Das sete vezes que caiu na piscina do Centro Aquático de Londres, em setembro de 2012, o paulista saiu dela com nada menos que seis medalhas de ouro no peito. Os Jogos Paralímpicos da capital inglesa representaram a consagração do nadador, que na edição anterior, em Pequim-2008, já havia levado outras nove medalhas – quatro delas de ouro. De volta ao Brasil, o paratleta, escolhido Brasileiro do Ano por ISTOÉ em 2012 no Esporte Paralímpico, empenhou-se em comemorações aqui e acolá, desfilou de carro aberto na mineira Camanducaia, cidade onde foi criado, em Bragança Paulista, interior de São Paulo, onde mora e treina.

O seu desempenho na China rendeu-lhe o Prêmio Laureus como o melhor atleta paralímpico de 2008. Tornou-se um dos quatro brasileiros a levantar individualmente o troféu, além dos ex-jogadores de futebol Pelé e Ronaldo Nazário e o skatista Bob Burnquist. As sete medalhas de ouro e uma de prata no Mundial de Natação Paralímpica e as oito de ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015 renderam ao nadador Daniel Dias mais uma indicação ao Prêmio Laureus, o Oscar do esporte. Ele concorre como atleta paralímpico do ano e pode receber a honraria pela terceira vez, já que foi o vencedor em 2009 e em 2013.

http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/noticias/daniel-dias-concorre-ao-laureus-o-oscar-do-esporte-na-categoria-paralimpica/DanielDiasToronto2015JonneRorizCPB.jpg

Daniel Dias conquistou sete ouros no Mundial de Natação e outros oito no Parapan de Toronto em 2015. Foto: Jonne Roriz/Divulgação CPB

Indicado pela sexta vez ao Prêmio Laureus de melhor atleta com deficiência, agora em 2016, tem muito a comemorar. Daniel Dias nasceu com graves deformações nos membros superiores – seu braço direito vai até o cotovelo e o esquerdo também é mais curto e apresenta apenas um dedo, o indicador. Mais: sua perna direita só chega à altura do joelho. Até sete anos atrás, sua única meta ao entrar em uma piscina era apenas não se afogar. Em 2005, porém, na sua segunda aula de natação, Daniel conseguiu atravessar uma piscina de 50 metros. No ano seguinte, no Mundial da África do Sul, onde competiu internacionalmente pela primeira vez, ganhou três medalhas de ouro e duas de prata. Daí para o olimpo foi um salto. Em 2008, nos Jogos de Pequim, esteve novamente no lugar mais alto do pódio – foi apelidado de Michael Phelps paralímpico, em alusão ao ex-nadador americano que mais conquistou medalhas olímpicas na história (19, no total).

Dentro da água, o segredo do atleta está em sua perna esquerda, a que não possui deficiência. Para mantê-la forte, o nadador puxa apenas com ela 150 quilos no aparelho de musculação leg press. “O meu motor é a minha pernada. Os braços são importantes na natação, mas esses aqui quase não puxam água”, conta Dias, enquanto sobe as escadas até o seu quarto na casa dos pais, em Bragança Paulista, para mostrar os troféus e medalhas. Com o dinheiro que conquistou nadando, ele ajudou a família a construir a casa. Para o atleta, que caminha graças a sensores digitais que fazem o papel do joelho na perna direita, na qual ele utiliza uma prótese, nenhuma honraria substitui o heroísmo de seus pais, o engenheiro Paulo e a dona de casa Rosana. “Eles nunca colocaram limites para mim do tipo ‘ah, ele não vai conseguir fazer tal coisa’. Sempre me deixaram ver até onde eu poderia chegar”, diz Daniel.

Os concorrentes do brasileiro são a esquiadora francesa Marie Bochet; a velocista chinesa Liu Cuiqing; a velocista cubana Omara Durand; o ciclista sul-africano Pieter du Preez; e o atleta de bocha de Hong Kong Leung Yuk Wing. Entre os indicados, a única que já conquistou o Laureus, além de Daniel Dias, foi a francesa Bochet, em 2014. O Laureus vai distribuir prêmios em outras seis categorias: atleta do ano no masculino e no feminino, melhor equipe, melhor retorno, revelação e melhor atleta de esportes de ação. Além de Daniel Dias, o Brasil tem outros dois concorrentes. Na categoria esportes de ação, o skatista Bob Burnquist e o surfista Adriano de Souza estão na briga pelo Laureus.